UGT UGT

Filiado à:


Filiado Filiado 2
Home | Notícias
Home | Notícias

NOTÍCIAS

Indústria perde 1,1 milhão de empregos e reduz salários em 14,7% em quatro anos


06/06/2019

A indústria perdeu 12,5% de empregos entre 2014 e 2017, o equivalente a 1,104 milhão de trabalhadores. A ocupação na indústria caiu ao longo de todo o período, embora a queda em 2017 tenha sido a menos acentuada, representando um recuo de 0,6% ou 44,5 mil postos de trabalho. O ano em que a indústria brasileira teve o seu maior número de empregados foi 2013, com cerca de 9,03 milhões de pessoas ocupadas. É o que mostra a Pesquisa Industrial Anual (PIA), divulgada hoje pelo IBGE. 

Quanto aos salários pagos pela indústria em termos reais, a queda chegou a 14,7%, em média, desde 2014. Mais uma vez, a perda salarial nas indústrias extrativas (-31,2%) foi bem maior que nas indústrias de transformação (-13,9%). Quanto à receita líquida de vendas da indústria geral, também houve queda em termos reais, de 7,7% entre 2014 e 2017. No setor extrativo (-16,9%) a perda foi mais intensa do que nas indústrias de transformação (-7,4%).

As variações de salários e de receitas foram calculadas, respectivamente, a partir do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) e do Índice de Preços ao Produtor (IPP), que passou a incorporar as indústrias extrativas em 2014.

 Infografico_PIA_Empresa_Grafico_linha.jp

Participação do Centro-Oeste na indústria foi a que mais cresceu

Embora tenha perdido representatividade ao longo dos últimos dez anos, o Sudeste foi responsável por 58% do valor da transformação industrial em 2017, mantendo-se na liderança, seguido pelas regiões Sul (19,6%), Nordeste (9,9%), Norte (6,9%) e Centro-Oeste (5,6%). Desde 2008, houve um recuo de 4.2 p.p na participação do Sudeste, em favor do Centro-Oeste, que teve o maior avanço (1,9 p.p.), seguido pelo Sul (1,3 p.p.).

Esse deslocamento produtivo em direção ao Centro-Oeste se deu principalmente em razão da migração de plantas agroindustriais que eram dedicadas à fabricação de produtos alimentícios e passaram a participar da produção de biocombustíveis, fazendo com que essa atividade se tornasse uma das três mais relevantes da região. 

O valor da transformação industrial é o valor bruto da produção menos os custos das operações, e serve como uma aproximação do valor adicionado pela atividade industrial.

Infografico_PIA_Empresa_Mapa_GrandesRegi

Novas atividades industriais se destacam no Norte e no Nordeste

De 2008 a 2017, as regiões Norte e Nordeste mostraram o maior número de atividades industriais que ingressaram, pela primeira vez, entre as três com os maiores valores de transformação industrial de cada estado: foram oito no Nordeste e seis no Norte.

Entre os destaques do Nordeste, está a fabricação de coque, derivados de petróleo e biocombustíveis, que assumiu a liderança da indústria do Rio Grande do Norte, com 25,6% do valor de transformação industrial desse estado. No Maranhão, a fabricação de celulose e papel já representa 22,6%, seguida pela extração de petróleo e gás (9,1%) outra estreante entre as três mais. Em Pernambuco, a fabricação de coque, derivados de petróleo e biocombustíveis se junta à fabricação de veículos, assumindo respectivamente, 11,8% e 10,9% do valor de transformação industrial local. Dos nove estados do Nordeste, apenas Paraíba e Sergipe não tiveram novas atividades industriais entre as três mais importantes.

Infografico_PIA_Empresa_Mapa_NORDESTE.jp

Na região Norte, cinco dos sete estados tiveram atividades estreantes entre aquelas com os três maiores valores de transformação industrial. O destaque foi o Amapá, onde a metalurgia (26,1%) e os produtos alimentícios (16,7%) já representam quase 43% do valor de transformação industrial local. No Amazonas, a fabricação de bebidas (21,5%) figura na segunda posição entre os três maiores. No Tocantins, a fabricação de coque, derivados de petróleo e biocombustíveis já representa 10,8%.

Infografico_PIA_Empresa_Mapa_NORTE.jpg

 

Fonte: IBGE




logo

UGT - União Geral dos Trabalhadores


Rua Aguiar de Barros, 144 - Bela Vista - São Paulo/SP - 01316-020 - Tel.: (11) 2111-7300
© 2013 Todos os direitos reservados.