UGT UGT

Filiado à:


Filiado Filiado 2
Home | Notícias
Home | Notícias

NOTÍCIAS

Cicatrizes da última crise econômica global duram até hoje, diz FMI


04/10/2018

Dívida pública sob o PIB mundial atinge 52%

Relatório será divulgado semana que vem

 

Os choques secundários e as respostas políticas, após a crise de 2008, levaram a mediana da dívida pública em relação ao PIB da economia mundial de 36%, antes da crise, para 52%.

 

O FMI indica o aumento representativo dos mercados emergentes e economias em desenvolvimento, de 44% para 60% do PIB global, como 1 reflexo da fraca recuperação das economias avançadas.

 

Algumas economias passaram por uma crise bancária em 2007 e 2008. Dessas, cerca de 85% ainda operam em níveis de produção abaixo da tendência antes da crise. Para os que não experimentaram essa crise bancária no período, 60% ainda possuem produção em níveis insatisfatórios.

 

As informações são do capítulo 2 e 3 do relatório anual World Economic Outlook,que será divulgado na íntegra na próxima semana.

 

De acordo com o FMI, as sequelas da última crise econômica global são duradouras até hoje. As perdas podem ser vistas como correções de caminhos que eram insustentáveis para alguns países. Já para outros, a crise pode ter trazido desigualdade de renda, principalmente onde a perda de empregos e produção foi grande.

 

Enquanto alguns países tiveram perdas no PIB (Produto Interno Bruto), as economias mais avançadas sofreram com fraqueza em seus canais comerciais e financeiros. Os países que mais sofreram com a perda no PIB foram os que tinham 1 crescimento mais rápido e maiores deficits em conta corrente, no período anterior à crise.

 

Segundo o relatório, os países que tiveram uma perda menor no PIB foram favorecidos, também, pela flexibilidade na taxa de câmbio.

 

Outra classificação realizada são os países que tiveram medidas excepcionais para lidar com o colapso financeiro, como garantias bancárias e injeção de capital. Nestes países, a perda no PIB foi moderada.

 

SEQUELAS

 

A manutenção da taxa de juros mais baixas nas economias avançadas favoreceu vulnerabilidades financeiras, especialmente no setor bancário não regulamentado. O FMI alerta que o acúmulo de dívida pública sinaliza a urgência em anular os desequilíbrios antes que ocorra 1 novo colapso.

 

A reforma regulatória nos bancos é apontada pelo relatório como uma consequência positiva, que tornou o setor mais seguro.

 

Outro alerta é que a capacidade de países emergentes se defenderem de pressões inflacionárias será testada mais uma vez. As oscilações das commodities na crise econômica trouxeram estabilidade para a inflação na maioria dos mercados emergentes. Com isso, os bancos centrais foram possibilitados de baixar as taxas de juros para o combate à recessão.

 

A adoção, pelos bancos centrais, de metas de inflação é indicado como 1 fator que ajudou a conter os preços gerais, em períodos de instabilidade financeira.

 

Fonte: Poder 360




logo

UGT - União Geral dos Trabalhadores


Rua Aguiar de Barros, 144 - Bela Vista - São Paulo/SP - 01316-020 - Tel.: (11) 2111-7300
© 2013 Todos os direitos reservados.